26 novembro 2006

Vai trabalhar, oh malandre...


Foi com esta persuasiva exortação que logo pela manhã me dediquei ao serviço no voluntariado do Banco Alimentar. O sr., certamente, achou que devia me emepenhar a fundo no meu trabalho, e foi com esse espírito, não de malandre diga-se, que passei a manhã a dar um pouco do meu tempo na ajuda daqueles que precisam. Foi um tempo que passou muito rápido e entre sorrisos e um bom dia, lá ía convidando as pessoas a ajudar naquilo que podiam. Muitos sorrisos e disponibilidade encontrei, principalmente aqueles que vinham ter comigo com a mão estendida à procura de um saco e um lindo sorriso nos lábios como quem diz, "Eu quero ajudar", mesmo que seja pouco, 1kg de arroz já é ajuda. Mas por sua vez muitas caras carrancudas ou porque "a mulher já leva o saco e está lá dentro", desde o "já contribuí" ou "venho só passear e não vou às compras", mas isto empurrando um carrinho, até ao "não quero ajudar". Cenas ilariantes daqueles que quando são "picados" a ajudar não são capazes porque não sabem o que é não ter uma sopa quente à noite, ou um copo de leite logo pela manhã.
Convido ao resto do grupo, que deixe uma postagem de como viveu sua experiência de voluntário no Banco alimentar.
Ajudem, vale a pena um sorriso...