27 setembro 2009

Interdependência!

Por vezes, nos nossos dias, precisamos de estar sós. Precisamos do silêncio que nos purga, daquele repousar que nos devolve as forças. Interpretamo-lo de diferentes formas, conseguimo-lo em diferentes locais. Pensamos, rezamos, cantamos, sonhamos. Outras vezes, buscamos apenas aquilo que sabemos que podemos fazer sozinhos, talvez em busca da nossa identidade. Ao escrever, ao tocar música, ao ir ao cinema, procuramos expressarmo-nos, procuramos fazermo-nos sentir. De umas e de outras vezes, permitimo-nos afastar do aconchego e da certeza que nos trazem as redes de relação que formamos. Inseridos na nossa sociedade, em Igreja, na nossa família, ou no nosso encontro terno com Deus, é pilar do nosso eu, cada relação de interdependência que partilhamos. São as pequenas pontes que nos fazem ter a capacidade de pensar, rezar, cantar e sonhar. São os laços que nos fazem ter substância concreta para escrever, sensibilidade para tocar, vontade de conhecer novas histórias indo, por exemplo, ao cinema. De todas as vezes, tomemos então consciência que neste processo contínuo de trocas e crescimento, recebemos também daquilo que oferecemos, sendo responsáveis pelo seu equilíbrio. Esta interdependência, não vicia mas suporta, poderá ser alimentada de amor, e é a mesma que nos faz preparar o coração para acolher cada pessoa com quem nos estamos habituados a cruzar. Nos nossos dias, quer no supermercado, quer na escola ou no trabalho, contam com a nossa entrega, com o nosso sorriso. Na nossa paróquia, contam com a nossa presença certa e com a nossa fé. Em casa, contam com o nosso amor e sinceridade. Em oração, Deus espera a nossa entrega completa e despojada. Saberemos ter a sensibilidade para receber se a tivermos para dar. Pelas famílias, pelos amigos, e mesmo por Deus, por cada um destes nossos portos seguros que habitam fora de nós, devemos diariamente agradecer. Não somos ilhas isoladas rodeadas de mar. Somos continentes inteiros formados por países que podem ter boas relações internacionais. É importante relembrarmos sempre que a nossa identidade pressupõe também a existência de outrem. Ser interdependente, é normal, é humano, é divino, é saudável. Ser interdependente, é mútuo!